Sudoeste Coreia – Parte 2 – Jeonju

Ainda dia 1, continuando minha viagem pela Coreia.

Depois de Buyeo, continuamos indo para o Sul e chegamos na Cidade de Jeonju.

A cidade de Jeonju é muita rica de história, já foi capital de Baekje, é berço da dinastia Joseon e é o local para se ter as mais ricas experiencias em Cultura Tradicional da Coreia.

A cidade é conhecida por sua alta qualidade culinária, principalmente por um dos pratos mais tradicionais da culinária Coreana, o Bibimbap (비빔밥), que é um prato servido quente ou frio, numa grande tigela, com arroz, muita variedade de vegetais e pasta de pimenta. Geralmente um ovo cru e alguns pedaços de carne também fazem parte do prato. Lógico que também dispenso..rsss

Essa foto foi a mais bonita que eu achei. Se eu colocar as outras que eu vi na internet, vocês darão razão a mim!!!

Jeonju também é conhecido pelo Makgeolli, Vinho de Arroz Coreano.

A bebida é feita da fermentação de arroz, farinha e água, o que dá um aspecto leitoso. Os primeiros apreciadores foram fazendeiros, tanto que era inicialmente conhecido como nongju (농주) ou ‘Bebida de Fazendeiro’. Atualmente se tornou muito popular nas grandes cidades, especialmente entre os jovens (Talvez por, primeiro ser uma bebida barata e outra, você bebe um monte e não sente nada, mas a hora que vai ver…. já foi!) Eu particularmente ainda não consegui gostar disso. Prefiro Soju (cachaça de arroz) mil vezes!!!

Parece um leitinho, que você toma numa combuquinha e que não sobe nada… Toma umas duas tigelinhas dessa, para você ver o efeito!!!

Mas Jeonju, além de tudo isso, é principalmente conhecida pela sua Hanok Village, que nada mais é que a vila onde eles preservam casas antigas e tradicionais da Cultura Coreana.

Nessa vila, são 700 casas tradicionais e preservadas, ainda moram e trabalham diversas famílias Coreanas. Entre ter aulas de Hanji, aulas sobre cultura e tradições, aprender a famosa Cerimonia do Chá (algo muito importante e cheio de significados), é possível ver a rotina das pessoas nessas vilas, seus trabalhos, suas artes.
Para os mais interessados parece que há até um programa oferecido pela prefeitura da cidade, onde você pode passar um noite nessas casas.

Para admirar, só beleza!
As casas são bem baixinhas, todas iguais, feitas de base de pedra, estrutura de madeira e telhas cinza escuro, com desenhos em suas pontas.




Na cultura Coreana, tudo se faz no chão, dormir, sentar, jogar, trabalhar, almoçar, jantar… Por isso é tão importante sempre tirarmos os sapatos antes de entrar em qualquer lugar, pois assim não trazemos as sujeiras da rua.

Achou o teu sapato??


Para se manterem aquecidos, especialmente no inverno que por aqui é realmente rigoroso, eles usam uma técnica chamada Ondol, que é um aquecimento por debaixo do piso, feito através da transferência direta do calor da fumaça da madeira para debaixo de um fino piso de alvenaria.

Lógico que nos dias de hoje o método de aquecimento foi modificado e atualizado, mas esse estilo de quarto é muito normal por aqui, tanto que existem muitos hotéis com quartos “Korean Style”, que eles dão o nome de “Quartos Ondol”, que é o quarto, sem cama! E no armário ficam guardados mantas, travesseiros e uns colchões bem fininhos para dormir… no Chão!

Interessou???

Continuando… nessa vila no meio das casas, museu de Makgeolli e até uma área cheia de lojinhas para vender os produtos produzidos por eles, chegamos num espaço onde eles fazem o Hanji, o Papel artesanal Coreano, que é tão utilizado para fazer todos os tipos de artes, desde pequenos objetos, caixinhas enfeitadas, até luminárias, mesas, armários, escultura de bonecos… tudo!
Esse papel é feito da casca interna de uma árvore chamada ‘Paper Mulberry’ uma árvore nativa da Coreia e que sobrevive melhor em regiões mais montanhosas.

Lá na Vila é possível ver a produção artesanal do papel e especialmente um dos últimos processos que é a secagem das folhas. Duas senhoras em frente a uma grande mesa/chapa aquecida, iam retirando as folhas molhadas e iam colocando nessa mesa para o papel secar e, creio eu, já pronto para o uso.

Produção


Secagem das folhas


Montando as peças


Trabalho Final: Lanternas


Trabalho Final: Móveis


Trabalho Final: Boneca

Logo do lado da Village, há um grande parque chamado Gyeonggijeon.

Foi originariamente construído em 1410, mas alguns prédios datam de 1614. O fundador da dinastia Joseon, o Rei Yi Seong-gye, teve seu retrato pintado nesse parque, uma enorme imagem dele sentado num grande trono vermelho, com três dragões dourados pintados em seu robe azul. Como tradição, todos os Reis que o sucederam, também tiveram seus retratos feitos nesse parque.


Pintura do Rei Yi Seong-gye

Exatamente na frente do parque, atravessando a rua fica a Jeondong Catholic Church.

Quando os missionários católicos vieram pela primeira vez para a Coréia no final do século 18, muitos foram martirizados aqui. As primeiras mortes ocorreram em 1791, e o padre Xavier Baudounet honrou esses sacrifícios, erguendo em 1914 essa linda igreja com estilos Bizantino/ Romântico. Diz-se que a Pedra Fundamental da igreja era onde a cabeça de um dos primeiros mártires foi enforcado.

O legal de ter visitado essa igreja é que, como minha vózinha querida, como posso dizer, é uma fervorosa Católica, foi muito bom ter ido, conhecido, rezado e especialmente ter pensado nela e enviado foto com dedicatória especial (Minha avó é moderna, ok?! Ela está no Facebook sim! rsss). Só depois fui ver que justo aquele dia era dia dos avós. Fiquei feliz com essa coincidência.


Quem disse que aqui do outro lado do mundo não tem Cristo Redentor???


Achei tudo muito bonito e agradável em Jeonju, com certeza aproveitarei que essa mesma empresa que faz esse tour, também disponibiliza FREE, para estrangeiros, ônibus de Seoul para Jeonju! Com certeza voltarei com o André aqui, mas definitivamente no Outono!!!!

Fim do dia… Estávamos exaaaaustos, isso pq ainda é Dia 1… Calor e muito lugar para andar, definitivamente não combinam!!

Depois do medo de essa história de “Ganhar uma viagem” não ter sido uma furada, o ônibus ter sido muito bom (as minhas ‘pequenas e curtas’ pernas agradeceram profundamente os quase um metro de distância entre as poltronas), chegou a hora de ver as condições do Hotel.

Será que iriam nos colocar em “Ondol Rooms”, será que não ia ser uns lugares que vc fica com mega nojo até de sentar??? Não!!
O hotel era ótimo!! Simples, uma cama gostosa, ar-condicionado, secador, tudo bonitinho!! Ainda para ajudar ficava no meio de umas ruazinhas de comercio local, então de noite, ainda demos uma volta, fomos jantar e ter um bom sono dos justos.

Pq o calor não vai melhorar, o sol não vai sair de lá, mas nós ainda temos mais dois dias de viagem pela frente.

Beijos e até o próximo post!!!

Anúncios

2 Comentários (+adicionar seu?)

  1. Nadir Boldrini
    ago 17, 2012 @ 12:02:44

    Tathy, amada
    Adoro seu modo de relatar e fotografar tudo com precisão. O que mais gosto é de poder vê-la e, ao ler, sentir como se vc aqui estivesse. Mil bjs para os dois , cada vez mais lindos…

    Responder

  2. Maria (vulgo sogrinha)
    ago 18, 2012 @ 05:39:27

    Tathy tudo parece ser tão lindo e limpo! As casinhas parecem cenários de filme. Aproveite essa oportunidade que vcs têm de participar desse roteiro ao vivo e em cores. Beijos.

    Responder

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: